Nossa Senhora dos Anjos nos ensina a conversão e o perdão dos pecados

Por Francy Meire

No dia 2 de agosto, a Igreja Católica comemora o Dia do Perdão, uma das mais importantes festas para a Ordem Francisca. Neste dia, também é feita memória do recebimento da indulgência de São Francisco de Assis, que consistia no pedido de que “todos os penitentes que se confessarem e fossem visitar a capela de Nossa Senhora dos Anjos obtivessem o perdão e a completa remissão de suas culpas”. Esta indulgência foi estendida à toda a Igreja Católica pelo Papa Pio XII.

Como forma de fazer memória deste importante momento para a Ordem Franciscana foi realizada na noite desta quarta-feira (02/08), às 19h30, na igreja de São Francisco de Assis, na Vila da Prata, a missa de Nossa Senhora dos Anjos. A missa foi celebrada pelos freis da Terceira Ordem Franciscana (TOR), Agostinho, Faustino e Rogério. Presidida por frei Rogério, ele contou, em sua homilia, um pouco sobre a história da capelinha de Nossa Senhora dos Anjos e explanou sobre o tripé que fundamenta o Dia do Perdão.

“Este dia se fundamenta em três pontos principais: a fé, a esperança e a caridade. Esse momento nos fala sobre as expectativas de São Francisco de que os pecadores se redimissem de suas faltas perante Deus depois que adentrassem à capelinha de Nossa Senhora. Mas mais do que isso São Francisco nos convida a viver a caridade tendo Maria como exemplo de caridade”, disse.

A história de Nossa Senhora dos Anjos

A história da igreja de Nossa Senhora dos Anjos da Porciúncula é um capítulo importante da vida de São Francisco de Assis. Este santo homem, pequeno em estatura, humilde no pensamento e menor por vocação, “escolheu para si e para os seus um pedacinho do mundo, enquanto aqui tinha de viver, pois não poderia servir a Cristo sem ter alguma coisa do mundo. E foi então que escolheu um lugar que veio a se chamar Porciúncula (pequena porção).

Nele foi construída uma igreja dedicada a Santíssima Virgem Maria, que por sua humildade singular mereceu ser cabeça de todos os santos logo depois de seu Filho. Em Santa Maria dos Anjos teve início a Ordem dos Frades Menores, aí se levantou a nobre estrutura de inumerável multidão de irmãos.

São Francisco recebeu de Cristo a ordem de restaurar a sua Igreja e literalmente restaurou três igrejas. O Pai Seráfico primeiramente restaurou a igreja de São Damião. Depois de reconstruir a igreja de São Pedro, Francisco chegou a um lugar chamado Porciúncula, onde existia uma velha igreja dedicada a Virgem Mãe de Deus, que estava abandonada, sem ninguém que dela cuidasse.

“Francisco era grande devoto de Maria Senhora do Mundo, e quando viu a igreja naquele desamparo, começou a morar aí permanentemente a fim de poder restaurá-la”4. O santo foi agraciado com a visita frequente dos santos anjos, o que aliás não estranhava, uma vez que a igreja se chamava Santa Maria dos Anjos.

Ele se fixou neste local por causa de seu respeito pelos anjos e de seu amor a Mãe de Jesus. Neste lugar santo, Francisco fundou a Ordem dos Frades Menores, por inspiração de Deus.

A predileção por Santa Maria dos Anjos

O Pobre de Assis, no final de sua vida terrena, dois anos depois de receber os estigmas sagrados, vinte anos após sua conversão, percebendo que se aproximava o fim de sua vida aqui na Terra, pediu que o conduzissem a Santa Maria dos Anjos da Porciúncula, a fim de exalar o seu último suspiro naquele lugar onde anos antes recebera tão, abundantemente, os dons do Espírito. O Pobre de Assis consagrava a Virgem dos Anjos louvores especiais, orações, afetos, tantos e tais que nenhuma língua humana poderia contar. Para grande alegria dos franciscanos, o Servo dos Leprosos constituiu Nossa Senhora como Advogada da sua Ordem e, à sua proteção e guia, confiou até o fim os filhos que ia deixar à Advogada dos pobres.

Oração a Nossa Senhora dos Anjos

Ó Nossa Senhora dos Anjos, na pequena Igreja da Porciúncula, São Francisco recebeu as vossas bênçãos generosas juntamente com sua Ordem. Ele depositara na vossa presença materna uma grande confiança e devoção, sendo atendido em seus pedidos. Continuai a dispensar os vossos favores sobre nós e sobre nossas necessidades particulares. Nós vos suplicamos, dai-nos a graça da penitência dos pecados, a correção de nossas más inclinações e fortalecimento nos momentos de fraqueza. Quantos recusam a salvação e preferem caminhar nas trevas do erro! Tudo é possível para aquele que crer, para aquele que se arrepender! Vós, ó Mãe, manifestastes a São Francisco o grande desejo de reconciliar os pecadores com Jesus, que se entregou em uma cruz para nos salvar. Rogai por nós, agora e na hora de nossa morte. Por isso, com todos os anjos do céu, vos saudamos: Ave Maria…

Nossa Senhora dos Anjos, rogai por nós!

Com informações do Blog Canção Nova

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *