CEB’s trabalham a partilha e a comunhão com Cristo

Por Priscila Santos

As Comunidades Eclesiais de Base (CEBs) surgiram para criar e fomentar o espírito cristão de amor a Deus e ao próximo tendo como característica de sua identidade – como o próprio nome indica – a Eclesialidade. Nas palavras de João Paulo II, “sua base é de caráter nitidamente eclesial e não meramente sociológico ou outro”.1 Assim, elas “brotam e desenvolvem-se no interior da Igreja, são solidárias com a vida da mesma Igreja, alimentadas pela sua doutrina e conservam-se unidas aos seus pastores” (EN, n.58).

As CEBs são grupos de cristãos leigos que se reúnem, regularmente, nas casas de famílias ou em centros comunitários, a fim de ouvir e aprofundar a Palavra de Deus, alimentar a comunhão fraterna e assumir o compromisso cristão no mundo. São comunidades porque são grupos formados por pessoas a partir do lugar onde moram e que procuram viver relações fraternas de partilha, ajuda, solidariedade e serviço.

Dizemos eclesiais, por se tratar de grupos de seguidores dos exemplos de Jesus, dos apóstolos, em comunhão com a igreja. E de base porque está presente desde o começo da igreja com os primeiros cristãos e também porque é vivida pelo povo que está na base humana e cristã.

A partir da década de 60 – quando nasceram – as CEBs foram crescendo e se espalhando por todo o Brasil. A Paróquia São Jorge é composta pelas CEBs São José, Nossa Senhora de Fátima e São Sebastião.

CEB São José

Conhecida inicialmente como comunidade Jardim dos Barés, a CEB iniciou suas atividades com o apoio de frei Paulo Eduardo, quando surgiu o convite para participar da formação da paróquia e de alguns projetos de alfabetização de adultos, entre outras atividades já existentes na CEB. Após alguns encontros do Círculo Bíblico, frei Paulo Eduardo lançou o desafio de realizar a primeira missa campal e assim surgiu a missa na CEB.

Em uma das celebrações, o pároco Frei Paulo Eduardo levantou o questionamento sobre qual deveria ser o padroeiro da CEB, então foi realizada uma votação com nome de vários santos e o mais votado foi São José. E a partir daí, a CEB Jardim dos Barés passou a chamar-se CEB São José.

Hoje as atividades da CEB continuam com o apoio de frei Agostinho, que passou a festejar São José Operário, patrono dos trabalhadores, no dia 1º de maio. A festa, que já é tradição, conta com a ajuda de outras comunidades para sua realização e a cada ano que passa atrai mais paroquianos. Atualmente, a CEB passa por mudanças para melhor atender as orientações litúrgicas e paroquias.

CEB Nossa Senhora de Fátima

Localizado na Rua Boa Esperança, 605, Vila da Prata, a CEB Nossa Senhora de Fátima, teve início em 1º de maio de 1990, por meio de uma romaria. Durante os 31 dias do mês de maio, Maria da Conceição, moradora do bairro, fez novenas de casa em casa pedindo a cura da filha. Conforme a promessa dela, todos os dias seriam rezados terços e feitas novenas em honra à Nossa Senhora de Fátima.

Hoje a CEB tem como principal característica a reza de terços e a visita a doentes. Todas as terças-feiras, às 19h30, são realizadas novenas na CEB e, todo dia 13 de cada mês, são realizados terços.
No dia 13 maio é realizado uma missa campal como parte dos festejos de Nossa Senhora de Fátima.

CEB São Sebastião

Em 1963, com a permissão e o apoio de frei Roberto Sisk, um dos padres americanos, que nesta época era o vigário da paróquia São Jorge, deu-se início a catequese da pequena comunidade que, à época, chamava-se Mário Ramos.
No dia 06 de março de 2003, frei Paulo Eduardo Melo fundou a CEB, que a pedido dos moradores, recebeu o nome de São Sebastião. Dentre as atividades mais engajadas da CEB São Sebastião estão o Apostolado da Oração e a Catequese.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *